Total de visualizações de página

sábado, 26 de maio de 2012

ATÉ QUANDO A POPULAÇÃO DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE IRÁ SOBREVIVER DE PÃO E CIRCO?

É notória a greve, que já ultrapassa os quarenta dias, dos servidores da saúde e da educação do município de São Gonçalo do Amarante / RN.

No início da greve muita gente foi contra, inclusive boa parte de servidores - alguns dos quais ainda temem perseguições e represálias por parte da prefeitura do município. Entretanto, durante esses quarenta dias, cresce o número de cidadãos são gonçalensses que vêm compreendendo as causas da greve e têm apoiado as reivindicações dos trabalhadores.

Alunos e pais de alunos, por exemplo, têm participado de manifestações de rua e de assembléias. Pessoas param para ouvir os grevistas, os aplaudem, carros apitam em solidariedade e, por mais que os blogs coligados à prefeitura mintam - afirmando que o número de grevistas é muito pequeno - está acontecendo o contrário: mais trabalhadores aderiram à greve, principalmente depois que a Justiça declarou LEGAL o movimento e fez com que a prefeitura de Jaime Calado devolvesse o corte salarial que realizou na tentativa de vencer os grevistas pela perseguição e pelo cansaço.

Pois bem, amados leitores e leitoras! Não se sabe como São Gonçalo do Amarante, o quarto município mais endinheirado do Rio Grande do Norte, tem sido incapaz de atender qualquer das reivindicações dos trabalhadores da Saúde e da Educação. E não são "reivindicações impossíveis". Em linhas gerais, os trabalhadores exigem melhores condições de trabalho, remuneração justa e segurança.

Funcionários da Saúde são assaltados em seus locais de trabalho! Em alguns desses locais vem faltando material de expediente - até o papel higiênico de determinada unidade de saúde tem que ser comprado pelos próprios funcionários! Que absurdo, para uma administração que alardeia aos quatro ventos em horário nobre que o município está "crescendo".

 

A merenda das crianças da zona rural de São Gonçalo é transportada em meio a botijões de gás, sendo PISADA pelos funcionários, em um caminhão que mais parece um carro de lixo!

Esses são alguns dos exemplos dos descasos da prefeitura de São Gonçalo do Amarante para com a Saúde e a Educação do município - e para com todos os filhos de trabalhadores de São Gonçalo.

São Gonçalo do Amarante, terra de mártires! Se em tempos passados cristãos foram martirizados por indígenas, como conta uma historiografia mal acabada, hoje são os remanescentes de negros e índios - o povo trabalhador, exploado - quem é martirizado por uma elite, uma minoria que sequer está aberta para ouvir as justas reivindicações da sociedade são gonçalensse.

Em meio a tantos absurdos, quando a prefeitura alega não possuir condições de pagar o devido salários aos trabalhadores da Saúde e da Educação, quando calada fica perante os pedidos de melhores condições de trabalho, a mesma prefeitura organiza uma festa junina regada a Luan Santana e outras "atrações" que custarão alguns milhares de reais dos cofres públicos.

Amados leitores, esssa é a velha política de pão e circo - política, não, politicagem! Quando o nó arrocha, quando sequer as necessidades básicas da população não são atendidas, os trabalhadores começam a se movimentar e a reivindicar melhorias. Para evitar que a população tome consciência dos fatos, o que os governantes fazem? Fazem festas, contratam bandas de forró, pagode, funk... e lá se vai o povão rebolar com a corda no pescoço!

Junto com as festas vem os documentos distribuidos em eventos chamados "ação global"... E se for preciso, distribuirão dentaduras, óculos, bolo, biscoito, refrigerante, fralda, chupeta... E lá se vai o povo, rebolando, sem perceber o nó arrochando no pescoço. Assim é em São Gonçalo do Amarante, em Natal, em Canguaretama e em todos os municípios governados por coronéis.

Trabalhadores e trabalhadoras, não caiam nessa! Não aceitem essa velha estratégia utilizada pelos exploradores para manter-lhes SEDADOS! Enquanto você pula feito babaca, teu sangue vai sendo sugado por uma classe parasitária que te escraviza e sequer presta contas do que tem feito com o teu dinheiro, com o teu trabalho, com a tua educação, com a tua saúde.

Organizemo-nos para lutar por uma sociedade justa e equilibrada, livre de explorados e exploradores. Chega de coronelismo e de ditadura!

Abraços do Tapuy'ya.

domingo, 13 de maio de 2012

ORAÇÃO DE UM CACIQUE

"FRANCISCO Javier Poama foi um personagem que somava a seu cargo de cacique entre os índios Emberá em Bocas Saija no Departamento de Cauca e distante umas horas de navegação por amr, bordeando a Costa Pacífica, e logo entrando pelos rios, únicos meios de penetração até o selvático lugar da região de Guapi como centro de todas as operações comerciis e civis.

Na entrevista que lhe fiz foi muito explícito demonstrando grande confiança. Como sabia por comentários anteriores que era um homem muito crente, lhe perguntei sobre suas relações com Deus, ao que ele respodeu:

- Ah, para mim o trato com Deus é diário e muito importante porque Ele nos fez.

- E como você manifeta esse trato?

- Venha, eu ensino.

Tomando-me pelo braço me levou até uma pequena casa toda fechada por três lados menos por um, por onde havia uma pequena abertura com paus à maneira de porta. Com respeito ingressei com ele inclinando o corpo para poder passar. O recinto estava limpo porém muito escuro. No fundo, contra a parede de varas havia um crucifixo, um quadro da Virgem do Carmo e várias velas apagadas. No pavio queimado se via que haviam sido usadas.

- Se quiser, padre, mova a máquina para que pegue minha voz. Vou te ensinar o que eu faço cada dia aqui.

Ali mesmo fiz funcionar o gravador. Enquanto isso, começou a tirar todas suas roupas perto da entrada até ficar totalmente desnudo, se aproximou depois para dizer-me:

- Deus é um Senhor de muito respeito e para falar com Ele eu tiro a roupa porque assim nos trouxe a vida.

Logo se adiantou até o fundo e prostrando-se com as mãos unidas começou a dizer com voz perceptível:

- Senhor Papai do Céu. Aquí estou outra vez para pedir-te presentes que tens em cima. Da-me camisa de ouro, calças de ouro, sapatos de ouro, meias de ouro, relógio de ouro...

E assim continuou pedindo com voz acelerada, quase toda melodiosa; boa colheita, bom tempo, boa saúde, boa família, boa pesca, boa caça, etc, etc.

Depois contou todo o acontecido na tribo sobre os doentes, sobre os ausentes e outros atos de ocorrência diária.

Duas horas aproximadamente durou aquela larga oração de úplicas. Quando terminou para colocar de novo sua roupa, o interroguei:

- Por que Francisco Javier pede a Deus tudo de ouro?

- Padre, esso eu eu peço a Deus não é como as coisas da tierra que se acabam. O que Deus da a um é fino e não se destrói. O que da Deus tudo é do Céu."

(Conversa do Frei Javier Montoya Sabchez com o´cacique Francisco Javier Poama - livre tradução da Obra ANECDOTARIO DE UN MISIONERO FRANCISCANO: pequeño aporte a la Etnografia Colombiana. Esse livro me foi presenteado pelo amado Frater Urubu Tairaju no início deste ano, após regresso de uma de suas aventuras antropológicas pela América Latina).

EM BREVE: O CENTRO DE ESTUDOS INDÍGENAS TERREIRO DO JUREMÁ ESTARÁ EM PLENO FUNCIONAMENTO EM SÃO GONÇALO DO AMARANTE.

- EXPOSIÇÃO E VENDA DE ARTESANATO INDÍGENA;
- PALESTRAS SOBRE TEMAS AFROAMERÍNDIOS E ESTUDOS DE TUPI ANTIGO;
- RITUAIS E TRABALHOS COLETIVOS DE CURA MORAL E ESPIRITUAL;
- ORGANIZAÇÃO DE BIBLIOTECA E VENDA DE OPÚSCULOS.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

MESMO SEM A GREVE SER CONSIDERADA ILEGAL, PREFEITURA DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE (RN) DESFALCA SALÁRIOS DE TRABALHADORES DA SAÚDE E DA EDUCAÇÃO


A PREFEITURA do município de São Gonçalo do Amarante (litoral norte do Rio Grande do Norte), parece ter realizado um ato até então inédito na história dos movimentos antigrevistas do Estado. O prefeito Jaime Calado (PR), em tentativa de desmobilizar os servidores da Saúde e da Educação, deu-lhes um golpe forte: cortou parte de seus salários, deixando pais e mães da família dignos, trabalhadores que lutam por seus direitos e pela melhoria das condições de trabalho na cidade, em situação de penúria.

A greve, começada em abril, segue em seu décimo sétimo dia. Até agora, não foi considerada ilegal pela Justiça - porém, independente de uma posição Superior, a prefeitura realizou este ato injusto: desfalcou o já minguado e defasado salário dos servidores. Vejamos alguns trechos do panfleto intitulado CONTRA O DESCONTO DE SALÁRIO DOS SERVIDORES DA SAÚDE E DA EDUCAÇÃO DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE:

O prefeito agiu como um ditador. Cortou pela metade os salários dos servidores da saúde e da educação por eles estarem fazendo uma greve justa e necessária para garantir seus Planos de Cargos e Salários, gratificações e condições de trabalho. [...] Mais uma vez este prefeito mostra a sua cara autoritária e ditatorial. A Prefeitura deixa os alunos de São Gonçalo estudarem em péssimas escolas, sem ventilação, com banheiros sem higiene e em prédios caindo aos pedaços. Além disso, o prefeito reduz os gastos com a saúde, abandona as unidades e exige o cartão do SUS até para urgência e emergência, prejudicando o atendimento da população. [...] Repudiamos a ditadura do prefeito de São Gonçalo do Amarante, o senhor Jaime Calado. Exigimos a imediata devolução dos salários dos servidores da saúde e da educação. Trabalhadores não são bandidos. Lutar por direitos não é crime! Fazer greve por melhores salários e condições de trabalho é um direito!

Um dos grandes problemas políticos do Estado do Rio Grande do Norte é o seguinte: praticamente todos os municípios são dirigidos por prefeitos (as) que se consideram verdadeiros coronéis, acima da Lei, quem sabe acima de Deus. Começando pela capital do Estado governada pela prefeita Micarla de Souza - essa vem arrasando a cidade, apodrecendo a moral do PV, lidando com professores e demais servidores como se fossem servos e os eleitores de modo geral como fantoches (a maioria, para tristeza nacional, realmente vem sendo manipulada ao longo de décadas pelas imagens transmitidas pelo canal 13). Canguaretama é outro município que vive em atraso, devido as péssimas administrações públicas (que abandona remanescentes indígenas Potiguara da Aldeia Katu, deixando a única escola indígena do Rio Grande do Norte sem ASGs, com os muros caindo e sem coleta de lixo) e, agora, São Gonçalo do Amarante que, malgrado todo discurso maravilhoso que vem sendo apresentado por parte da "situação" em decorrência da construção do novo aeroporto e do "progresso" que há de transbordar na região, é em realidade uma área marcada pelo conservadorismo, pela perseguição a trabalhadores e pelo quase compulsório voto de cabresto, que todos pensavam não mais existir no Brasil.

ALÉM do desfalque salarial, outras artimanhas vêm sendo utilizadas por grupos aliados à prefeitura de São Gonçalo do Amarante, na tentiva de desorganizar (via imposição do medo e da fome), a luta dos trabalhadores. Citamos a manipulação de informações. Alguns blogs estão circulando informações caluniosas sobre a greve da Saúde e Educação, divulgando que mínimo é o número de grevistas. As atas das assembléias e as manifestações públicas provam o contrário. Em realidade, muitos são os grevistas - e maior seria o número se não houvesse tanto medo de perseguições, de transferências e, agora, de corte salarial.

OXALÁ a decisão da Justiça seja favorável às justas reivindicações dos trabalhadores do município, para que nós possamos acreditar que ainda é possível vivermos em um país e em um mundo melhores. Para que seja apagada definitivamente do Nordeste brasileiro essa imagem ultrapassada de que a região em que vivemos é área de coronéis e de jagunços.

Maiores detalhes no endereço: http://saudeeeducacaoemluta.blogspot.com.br/